loader

A inteligência artificial foi responsável por um impacto tecnológico e social ao mesmo tempo. O homem foi capaz de criar outros seres inteligentes, digitais e alguns inclusive com a habilidade de aprender sozinhos através do machine learning, e com o deep learning eles poderão evoluir para se tornarem completamente autônomos em poucas décadas.

Técnicas de deep learning têm aprimorado a capacidade dos computadores em classificar, reconhecer, detectar e descrever – em uma palavra, compreender.

A previsão de um relatório da Information Services Group (IS) destaca que 80% das atividades realizadas por humanos serão automatizadas até 2050, e com a tecnologia disponível atualmente, 45% das tarefas já podem ser realizadas por robôs.

Estas conclusões nos levam a uma questão que preocupa muita gente: a AI vai eliminar vagas de emprego? Podemos ser substituídos pelas máquinas?


Historicamente, o debate sobre a substituição do homem pela máquina acontece desde a 1ª Revolução Industrial. A mídia desde sempre diz que quanto mais a tecnologia avança, mais ela ocupa o lugar do homem, porém isso, se analisado corretamente, não é verdade. A cada nova tecnologia que surge novos setores são desenvolvidos, e quem ocupa esses novos setores são os próprios homens. Uma máquina realiza perfeitamente uma função repetitiva, mas é necessário um homem programá-la para executar aquela função.


Podemos analisar melhor esta conclusão comparando as possibilidades de cada uma das inteligências:

As inteligências de certa forma se complementam, com forças diferentes que conversam entre si.

O expert em inteligência artificial Ivan Viragine aponta para uma visão bem otimista do futuro da AI combinanda com habilidades humanas, e como esse mix pode ajudar as marcas a impactar de forma positiva seus clientes e se aproximar cada vez mais do seu universo:


“A grande habilidade da inteligência artificial é correlacionar um volume alto de dados e variáveis de uma maneira rápida, precisa, e, muitas vezes, “inusitada”. Com isso, é possível utilizá-la para gerar insumos para os analistas humanos gerarem diversos insights mais precisos e, o melhor: em questão de poucos minutos. Por exemplo, ao invés de um analista humano ler milhares ou milhões de posts, ele partirá dos insights consolidados da IA e, a partir deles, gerar seus próprios insights. Caso esse trabalho fosse feito exclusivamente por humanos, seria necessário um número alto de analistas e, mesmo assim, muito tempo.Em casos de eventos grandes, transmissões ao vivo, crises e outras situações nas quais há a necessidade de tomadas de decisões rápidas, essa junção da IA com a habilidade humana não só é benéfica como imprescindível.”


Podemos prever que o futuro aponta para que as inteligências humana e artificial trabalhem juntas, com o constante desafio de a humanidade se adaptar para manter sua relevância no mundo de máquinas e se ampliar nesse processo;


A behup conseguiu unir ambas inteligências em seus produtos, apresentando ao mercado uma nova maneira de fazer pesquisas e analisar dados. Como uma #BehaviorTech, utilizamos inteligência artificial, big data e machine learning para entender o comportamento humano.

No momento de análise dos dados coletados, contamos com uma equipe multidisciplinar formada por neurocientistas, antropólogos, sociólogos, cientistas de dados, marketeiros, publicitários e desenvolvedores, combinando inteligência humana com a artificial para resultados que entregam a quantidade de informação de uma pesquisa quantitativa com a riqueza de dados de uma pesquisa qualitativa.

A Inteligência Artificial nos permite criar novas metodologias que conversam com a  nova Era que estamos vivendo.

Somente adaptar o que funcionava no offline para o meio digital já não é o suficiente. É preciso inovar para evoluir junto com a sociedade, e assim juntar o melhor dos dois mundos: deixar a AI desempenhar seu papel, entregando o melhor no que ela é proposta, e utilizar as capacidades humanas para complementar e entregar o melhor trabalho possível, focando naquilo em que as máquinas não podem nos superar como por exemplo a capacidade de análise crítica, a de reproduzir os sentimentos e as relações sociais e desenvolver novos ramos de conhecimento.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *